sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Unnamed Story 3

Olá leitores!

O trecho de hoje será curto, só para vocês ficarem com água na boca!

“Espera. Sobre o que você quer conversar? Porque esteve agindo de forma estranha a noite inteira?” falei, um pouco irritada.

“Becca, escuta o que tenho pra te falar!” disse ele, segurando meus braços com força desnecessária. “Eu acho que tenho... sentimentos por você!”

Definitivamente por isso eu não esperava! “Repete o que você acabou de me dizer.”

“O quê? Dizer o quê?”

“O que você acabou de me dizer, acho que ouvi errado.”

“Eu tenho sentimentos por você, é isso?” disse ele, distraído.

“Você... gosta de mim?” perguntei timidamente.

James não disse nada, apenas ficou olhando para algo sobre os meus ombros. De repente, em um movimento brusco, ele me beijou. Não era como eu imaginei que aconteceria, mas foi bom. O problema é que o bom já havia sido provado por grande parte das meninas da cidade... eu queria mais! Afastei e ele reclamou.

“Becca, achei que você estava gostando...”

“James, você gosta de mim?” perguntei.

“Não sei se gosto, acho que sim.” Ele respondeu, arrumando o cabelo.

“Então até você se decidir a gente apenas se abraça, como bons amigos.” Falei e girei meus calcanhares, pronta pra sair andando.

“Você não gosta de mim? Já sei, prefere aquele arrumadinho, como é o nome dele? Gerard?” percebi, pelo tom da voz dele, que estava com ciúmes. Pena que, para mim, ciúmes não significa muita coisa.

“Sim, gosto do Gerard, sempre gostei... CLARO QUE NÃO! Isso não faz sentido” disse, de costas pra ele, e sai andando.

“Por que esta indo embora?” berrou ele.

“Vou voltar para a festa” berrei de volta

Ele não entendia. E não seria eu que iria explicar. Sentei novamente na mesa e enterrei meu rosto no meio da minha mão. Não queria chorar, minha vontade era de ir embora, mas dependia da carona de James.

“Rebecca?” disse uma voz masculina e eu levantei minha cabeça, achando que fosse James querendo se desculpar. Não era.

“Ah, olá Chris.” Vi que ele estava querendo sentar na outra cadeira. “Quer sentar?”

Chris se sentou.

“Você esta bem?” perguntou, querendo começar a conversa.

“Sinceramente? Não. Queria ir embora.”

“Mas você não pode ir agora! O prefeito nem fez o discurso de homenagem”

“Chris, não se ofenda, mas eu não me importo com o discurso do prefeito. Estou com dor de cabeça, quero ir para casa, quero dormir.”

“Quer que eu te leve?” perguntou Chris, preocupado.

“Você faria isso? Ficaria grata!”

“Claro, espere aqui que eu vou pegar o carro.”

Não demorou muito e ouvi a buzina do carro de Chris me chamando. Antes de entrar, ouvi meu nome. Olhei para trás e James estava correndo pra me alcançar. Fingi que não o vi, entrei no carro e Chris pisou no acelerador. Fechei os olhos, não queria ouvir mais nada. Acabei ouvindo uma balada triste que vinha do radio ligado enquanto Chris me levava pra casa.

Até a próxima!

Aviso: o trecho tem alguns erros de pontuação, certo? Pois bem, eu vou explicar o porquê! Eu escrevo de acordo com as minhas emoções (sim, eu me emociono enquanto eu escrevo!), então eu vou escrevendo, sem dar muita atenção a pontuação. Depois de um tanto eu vou revisando e revisando... o problema é que as vezes eu não percebo ou não dá tempo de revisar porque posto aqui o mais rápido possível. Mas a partir do momento que eu encontrar um erro eu venho aqui e altero! Obrigada pela compreensão!

Nenhum comentário:

Postar um comentário