terça-feira, 26 de junho de 2012

Todos Iguais - por Esthéfanie Vila Maior


Olá leitores! 

Hoje trago um texto escrito pela minha amiga de infância Esthéfanie Vila Maior. Espero que gostem! 

Já dizia minha amiga de infância: cafajestes são todos iguais. Não discordo nem do pingo do i dessa frase. Entretanto, existe muito mais por trás dessa frase do que o simples conceito de “igualdade”. Acredito que cada cafajeste tenha um porquê diferente, afinal cafajestes são seres humanos, nós gostando ou não, e seres humanos nunca são iguais. A minha teoria, mirabolante, é que as fórmulas, aquelas que eles usam para tentar nos “controlar”, são iguais (isso mesmo, no plural, com s), e digo fórmulas porque uma só não daria resultados tão eficientes, cá entre nós, admitam, mulheres são complicadas e não chegam nem perto de serem iguais. 

Queria deixar bem claro que não estou dando razão ao dramático “coitadismo” que muitas mulheres insistem em levar como regra de vida, muito menos aos discursos feministas criticando os homens. 



Mas voltando as fórmulas, se elas são todas iguais, por que diabos nós, mulheres, fazemos tanta questão de testar todas elas? É como provar as mesmas roupas, só que em lojas diferentes. É como ter alergia a esmalte e testar todas as marcas. Alias, acredito que nós mulheres temos a obrigação de reconhecer esse tipo de longe. E que atire a primeira pedra aquela que nunca criou um cafajeste nessa vida. Sim, você já criou um “cafa”. Lembra daquele seu melhor amigo da escola que passou anos te consolando enquanto você chorava por outros caras? Lembra quando ele disse que te amava e você fez picadinho com o coração dele? Pois é meu bem, ele cresceu e adivinha só?

Você já sabe o resultado disso, e não importam quais sejam as desculpas mirabolantes que você usa pra insistir em tal atitude, os fatos não mudam. “Ah, mas dessa vez é diferente, ele vai mudar”. Engula o seus mas. Os rostos mudam, mas formulas são as mesmas lembram? A verdade é que ninguém muda por ninguém, as pessoas mudam única e exclusivamente por vontade e conta própria.

Em vez de tentar mudar alguém, mude você mesma. Aprenda a ter amor próprio o suficiente para não se permitir passar por isso novamente. Alias, amor próprio é a melhor arma, o melhor antidoto, o melhor escudo contra qualquer coisa. Porque, no fim das contas, as pessoas só fazem com a gente aquilo que permitimos."


Esthéfanie por ela mesmo

Estudante do 1º ano de jornalismo. Amante de palavras e seus significados engraçados. Vejo lógica onde não existe e graça na loucura. Metida a chef de cozinha de doces e saladas, uma gordinha em espírito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário