quarta-feira, 12 de junho de 2013

Romanceando

De uma certa janela, é possível avistar:

Ah... o encontro do olhar. A troca de vibrações que se traduzem em sentimento, assim, puros, pela primeira vez.

Depois, aquele aproximar lento de duas mãos que querem se tocar, mas tem medo da reação que poderia provocar. Talvez a confissão do é real, a constatação de que é pra valer. 



Finalmente, o beijo apaixonado. Suas almas estão rendidas e não querem ser resgatadas do estado catatônico, indiferentes ao mundo exterior. O mundo que construíram não admite interferência. 

Deixe lá, Margarida - fala para o vento - Eles são apenas jovens... 

Um comentário: